FILOSOFIA DO SABER DA ALMA

A base de toda esta filosofia, consiste em reconhecer que todos carregamos dentro de nós, uma sabedoria que transcende a nossa mente consciente. Podemos dizer que esta sabedoria está em uma consciência mais elevada que muitos chamam de Supraconsciência, Eu Maior, Deus interior ou simplesmente Alma. Esta sabedoria está dentro de cada pessoa e darei a Ela aqui o nome de “o Saber da Alma”.
O Saber da Alma traz uma visão ampliada de todo o ser. Uma visão de cima. Um entendimento de todo o contexto, relações e cenário que a pessoa vive.
Para um melhor entendimento é importante saber que neste mundo vivemos vários personagens (como se fosse uma peça teatral). Nascemos e já encenamos o personagem do filho(a), nosso filho nasce e nasce também com ele o personagem de um pai e de uma mãe, nossos filhos viram pais e ganhamos o personagem de avô (avó).Temos também o personagem de marido, esposa, o personagem do profissional fisioterapeuta, padeiro, médico, mecânico, motorista, cidadão e muitos outros. Em situações como uma morte física, uma demissão ou uma separação, por exemplo, alguns personagens saem de cena. Estes são dinâmicos, se constroem e se destroem ao longo de uma vida. Há personagens que são tão fortes em nós, que chegamos a nos confundir com eles. É comum quando alguém nos pergunta “quem é você?”, respondermos com o nosso nome e profissão, ou então respondemos que somos filhos de Fulano ou pais de Ciclano. Considero que estas respostas mostram qual o seu papel em determinado cenário social, mas elas estão longe de responder quem é você.
A “Filosofia do Saber da Alma” considera que todos este personagens fazem parte do seu ser em determinado momento, mas reconhece que o seu ser é muito maior que tudo isso. Uma das dimensões do seu ser está encenando a peça, a outra está dirigindo esta peça e montando seu cenário. Esta outra dimensão do ser é o que chamo aqui de Alma, e é Ela que traz todo o saber do porquê do cenário que vivemos. É Ela que sabe como cada personagem deve ser dirigido. Se um personagem traz um problema, a Alma dele traz a solução.
A visão de um fato pode ser muito diferente quando vista da perspectiva de um personagem, do que quando vista da perspectiva da Alma. O que para o personagem pode ser uma doença, para a Alma pode ser um processo de cura. A inteligência do personagem pode considerar boa, muitas coisas, que quando olhadas da perspectiva da Alma são consideradas nocivas para o cenário como um todo.
É comum hoje a consciência dos nossos personagens estar desconectada da consciência da nossa Alma, de forma que o personagem deseja percorrer um caminho e a Alma deseja percorrer outro. Isso gera uma divisão do nosso Eu, e nos tira do roteiro e cenário criados por nossa Alma.
Viver ou trabalhar na “Filosofia do Saber da Alma” significa reconhecer e confiar nesta sabedoria e buscar o acesso a Ela de diversas formas. Significa buscar o alinhamento dos desejos dos meus personagens com os desejos da minha Alma. Em outras palavras significa buscar a conexão com a Alma e se entregar a sua sabedoria.
Poucas pessoas do mundo (consideradas iluminadas), conseguiram viver plenamente conectadas com suas Almas. Esta filosofia não é propriedade dos seres iluminados e nem pertence a qualquer religião (embora possa estar nelas também). Seus praticantes são pessoas comuns que conscientes da existência deste saber, o buscam mesmo que em grande parte do tempo não consigam acessá-lo.
A “Filosofia do Saber da Alma” está em concordância com o que muitos chamam de “escutar o coração” ou “seguir o coração”. Para esta filosofia, o registro de toda verdade da Alma está na região que fisicamente corresponde a área do coração. Estas informações são registradas e armazenadas em formas de ondas, em uma frequência compatível àquela que vibra em nosso chakra Cardíaco. Quando pensamos, lemos, observamos, ouvimos ou falamos algo que está próximo a frequência da verdade de nossa Alma, por um fenômeno de ressonância, podemos sentir um agradável vibrar na região do nosso peito. Dizemos então que aquela informação tocou nosso coração. Aos que praticam a “Filosofia do Saber da Alma”, todas as informações são bem vindas, porém só iremos seguir aquelas que tocam nosso coração. Não importa a origem da informação. Ela pode vir de um ser que nosso personagem despreza ou de um terapeuta de confiança, um mestre espiritual ou mesmo uma grande autoridade, se esta informação não toca o meu coração, então ela não representa a minha Verdade.
Seguir o saber da Alma não significa ficar longe de problemas. Significa apenas estar no seu caminho e no seu aprendizado. Significa entrar em harmonia com a história que sua Alma está contando.
Na prática, a pessoa que vive a “Filosofia do Saber da Alma” consulta o seu coração antes de qualquer decisão, observando qual sentimento ou vibração está presente quando mentalmente vive cada opção, decidindo sempre pelo caminho onde o sentimento gerado chega mais próximo das vibrações do Amor, Paz ou Gratidão.
Muitas são as práticas que facilitam esse processo. Não há uma regra ou uma receita, a eficiência dos métodos mudam de pessoas para pessoas e de momento para momento, mas todos eles tem como objetivo nos ajudar a sair, mesmo que seja por um breve instante, da ilusão que criamos ao nos confundirmos com nossos personagens, ajudando assim a lembrar quem somos. O contato com “o Saber da Alma” pode então ser facilitado pela prática da meditação, da oração, da contemplação, pelo contato com a natureza, por leituras, pela voz de um amigo, por músicas, pelo trabalho, por um olhar, por um gesto, por um movimento, por uma dor, por uma perda, por um ganho e por muitas outras coisas, ou simplesmente por estar conectado com o momento presente. Enfim, não há regras. A Alma sempre está disposta a nos mostrar qual é a direção a seguir e qual é o próximo passo. Para isso, basta ter a pergunta certa, aquietar a mente e ficar atento as respostas que virão de muitas formas.

Ler sobre “A Filosofia do Saber da Alma dentro das Terapias”

Vinicius Cillo, 13 de abril de 2019

%d blogueiros gostam disto: